Sentimentos negativos podem ser passados para os filhos sem que os pais percebam

Post 317

A vida familiar é repleta de desafios e também de alegrias compartilhadas. É no lar que os seres humanos aprendem a se correlacionar com as outras pessoas, descobrem o amor verdadeiro e carregam o modelo de convivência para onde quer que vão.

É por isso que é tão importante que os pais fiquem atentos a seu exemplo e comportamento dentro de casa. As brigas do casal causam profundas cicatrizes em seus filhos que podem reverter em problemas na vida adulta deles. 

Ao se depararem com o estilo de vida intolerante de seus pais, os filhos não só aprendem a viver desta forma com as pessoas que amam quanto nutrem sentimentos negativos e tosadores que afetam seu desenvolvimento e caráter em formação.

1. Culpa

Ao participarem de um ambiente hostil, as crianças sentem que não são boas o suficiente e nunca alcançarão reconhecimento de seus pais. Elas sentem isso porque um cônjuge culpa o outro e as brigas acontecem. Elas sabem que são parecidas com um e com o outro e se eles discordam tanto assim entre si, a humanidade enxergará coisas muito piores nele. E o pior, sempre pensam que a culpa das brigas dos pais é delas. Esse sentimento por algo que muitas vezes inexiste as acompanhará por toda a vida, causando grande insegurança na adolescência e dificuldades de relacionamento conjugal, profissional e social na vida adulta. Evitar brigas a todo custo, ter respeito, amor e admiração pelo cônjuge salvará não somente o relacionamento conjugal, mas toda a família.

2. Rivalidade

Quando existe esse sentimento que é expresso em ações que prejudicam o cônjuge, a criança entende que o mundo é assim e que é necessário vencer a todos independente de quem sejam. Ela tentará prejudicar seus pais para conseguir o que deseja, se tornará manipuladora e cínica, acreditando que a maneira como seus pais se tratam é a ideal para a sobrevivência. A melhor forma de não imputar esse sentimento na criança é a parceria, resolvendo as questões adversas em particular e chegando a um comum acordo.

3. Arrogância

Quando o casal não consegue se comunicar, pensam diferente demais e não sintonizam nunca, a criança entende que também pode se desligar emocionalmente e não precisa se entender com qualquer pessoa. Ela se torna fechada, indiferente aos sentimentos alheios, agressiva quando contrariada e com falta de empatia. Quando o casal se comunica bem e mantém bom diálogo com o restante da família é mais fácil da criança não se tornar assim.

4. Desonestidade

Não importa se são pequenas ou maiores, as crianças percebem o estilo mentiroso dos pais, seja com eles próprios, com o cônjuge ou mesmo com pessoas externas ao lar. Aquela mania de dizer que não está ao pedir para o filho atender a uma ligação é um péssimo hábito e exemplo terrível. Não só ensina a criança a ser desonesta como faz com que ela perca a confiança em seu genitor. O mundo está repleto de desonestidade e para a criança se sentir mais confiante é fundamental que ela conheça pessoas sinceras, honestas e leais. Quando essas pessoas são seus próprios pais, a segurança se torna ainda maior.

5. Menosprezo

Essa atitude pode ser muito comum entre um casal e a lição que o filho leva é que não tem problema criticar abertamente ou falar mal de quem se ama. Pais que resolvem suas diferenças em particular e não destratam um ao outro tornam a vida do filho melhor, ensinam que o amor é prioridade e que as diferenças podem ser resolvidas com bom senso e educação.

Preservar os filhos destes sentimentos negativos que podem ser carregados por toda a vida deles pode não ser fácil, porém contribuirá para uma vida familiar agradável e um relacionamento muito forte entre todos, além de ser de grande aprendizado para eles.

 

Fonte: Família.com.br