Vaidade infantil: Até onde é saudável?

Post 338

A vaidade infantil é muito comum nas meninas de hoje em dia. Que menina nunca quis usar o salto alto da mãe? Ou nunca experimentou as maquiagens da mãe e se borrou toda? Essas brincadeiras podem até ser consideradas fofas e divertidas, pois fazem parte da infância das meninas que querem ser grandes mulheres quando crescerem. Porém, lembre-se que essas brincadeiras devem acontecer uma vez ou outra.

Quando a sua filha colocar um salto seu e tentar se equilibrar em cima dele ou aparecer com o rosto todo borrado de maquiagem, riam juntas e explique para ela, que assim que ela crescer ela poderá fazer tudo isso. Esse tipo de brincadeira faz parte do universo feminino, aposto que quando você era pequena também fazia as mesmas coisas, como rabiscar a cara das bonecas, pintar as unhas ou cortar os cabelos da boneca, por exemplo.

A brincadeira começa a se tornar um problema quando a criança começa a agir feita adulta. Ou então quando a criança começa a deixar os brinquedos que sempre gostava para brincar com atividades de adultos. E é nesse momento que a vaidade infantil começa a se tornar um problema, já que a criança não se sente mais à vontade com a sua própria idade.

 

Maquiagem para crianças – Pode ou não pode?

Se enquanto você estiver se maquiando e a sua filha pedir para usar algum produto, você até pode deixá-la usar, sem problemas, desde que seja uma vez ou outra. Hoje no mercado, existem maquiagens para adultos e maquiagens para as crianças, mas qual é a diferença? Os produtos de maquiagens para adultos geralmente são muito perigosos para as crianças, pois são mais fortes, agridem mais a pele e não são testados em crianças, ou seja, corre-se o risco de ocasionar uma alergia em sua filha, principalmente se a sua filha sofre com rinite alérgica, bronquite ou dermatite.

O que todas as mães precisam saber é que a pele da criança é bem mais sensível e fina do que a pele de um adulto, ou seja, as substâncias químicas presentes dos itens de maquiagem podem ser absorvidas com maior intensidade na pele da criança, causando irritações e alergias com mais facilidade. Mas, afinal com quantos anos as crianças podem utilizar maquiagem?

Recomenda-se utilizar maquiagem somente após os 13 anos de idade, antes disso deve-se evitar. Mesmo após os 13 anos há uma restrição, já que nessa idade os hormônios femininos começam a entrar ou já entraram em ebulição, fazendo com que os produtos de maquiagem deixem à pele mais oleosa, ocasionando cravos e espinhas. Portanto, procure consultar um dermatologista para ele analisar a pele da sua filha e indicar os produtos mais adequados, geralmente os mais indicados são as maquiagens livre de óleo.

Engana-se quem acha que somente a maquiagem traz problema para as crianças, muito pelo contrário, esmaltes também podem ocasionar alergias e irritações por causa do formaldeído – substância composta nos vidrinhos de esmaltes. Essa substância pode ocasionar coceiras e vermelhidão ao redor das unhas e nas pálpebras dos olhos. No entanto, se a sua filha quiser pintar as unhas procure comprar esmaltes antialérgicos, esses podem ser usados sem problemas.

A dica vale para os shampoos e condicionadores. Compre apenas produtos destinados para crianças, nunca utilize os mesmos produtos que você costuma usar no seu cabelo para lavar os cabelos das crianças, pois podem surgir caspas e alergias, além de deixar o cabelo ressecado, já que as crianças costumam ter os cabelos bem fininhos.

 

E o salto alto para as crianças?

Crianças não podem usar salto alto. O motivo é porque as sandálias e sapatos com salto, por menor que sejam, podem prejudicar a formação da estrutura óssea da criança, podendo causar dores e problemas de equilíbrio, postura e coluna nas meninas. No entanto, apesar dos problemas é muito comum ver meninas desfilando com saltos altíssimos. Para evitar esse problema, procure deixar a sua filha com alguém e vá as compras sozinha quando for comprar sapatos para a sua menina. Ou ainda explique os motivos do por que ela não poder usá-los.

 

Fonte: Nada Frágil